28 abril, 2005

Olavete.

Vão me acusar de direitista, conservador, retrógrado e fundamentalista, além de ser "elite insensível"
Mas vou citá-lo:


" ...Processo análogo sofre o termo "fundamentalista". Essa palavra designava os adeptos de uma interpretação literalista e legalista da Bíblia. Pouco a pouco, a classe jornalística passou a empregá-lo para rotular qualquer pessoa que seja fiel a uma religião tradicional. Isto significa que a quota de fidelidade religiosa admitida na sociedade “decente” vai se estreitando cada vez mais. É um estrangulamento progressivo, lento e calculado.

Outro exemplo. Até dez anos atrás, todo mundo na Igreja – esquerda e direita -- era contra o aborto. Em 1991 os bispos de Chiapas, México, que estavam entre os mais esquerdistas da América Latina, acusaram de auto-excomunhão as militantes feministas que defendiam o aborto. Hoje, a mídia em peso carimba como “conservador” e até “fundamentalista” qualquer católico que seja anti-abortista...."
|

16 abril, 2005

Da série Obsessões filoesquerdistas : I - O Aborto

Recorrentemente blogs ricos & famosos (ou nem tanto) como LLL, Smart entre outros tantos trazem à baila o tema do aborto.
Posts como estes geralmente são os campeões das caixas de comentários.
O exemplo mas recente pode ser visto aqui, e traz sob o título "Aborto" este pequeno comentário:

"Back in 1999, Mr. Levitt was trying to figure out why crime rates had fallen so dramatically in the previous decade. He was struck by the fact that crime began falling nationwide just 18 years after the Supreme Court effectively legalized abortion. He was struck harder by the fact that in five states crime began falling three years earlier than it did everywhere else. These were exactly the five states that had legalized abortion three years before Roe v. Wade."

Obviamente trata-se de propaganda pró-aborto sob uma roupagem "neutra". Aliás a propaganda "neutra" é uma das especialidades do autor, que se considera um homem imparcial, um homem de números.

Não consigo imaginar porque um homem, um marmanjo do sexo masculino, gaste seu tempo em panfletagem pró-aborto. E não estou agora me referindo especificamente ao SSoB.

Mas claro que já vejo as respostas para isso...afinal pensem nas meninas de 12 anos grávidas, pobres, etc; pensem nas meninas de 12 anos grávidas, pobres, violentadas, etc; pensem nas meninas de 12 anos grávidas, pobres, violentadas, sem infância...

Eu acho que antes de pensar em matar um feto, os panfletários deveriam se organizar em campanhas pela gravidez consciente, o que envolveria pais, família, escolas.
Dá um pouco de trabalho né?

Não falo aqui de esterilização em massa, coisa em que não é necessária uma tomada de decisão individual.

Mas e a menina de 11 anos que foi estuprada e engravidou?
Não conheço as estatísticas da porcentagem de estupros que se transformam em gravidez, nem as porcentagens de abortos de fetos/bebês provenientes destes tristíssimos casos. Mas tenho a impressão que são uma minoria. A maioria das meninas, moças e mulheres que engravidam sem desejar é por falta de informação mesmo. E nem todas as mulheres que praticam o aborto são pobres e sem escolaridade.

Alguém tem os dados à mão ?? Tenho preguiça.

Mais tardediscorrerei sobre as conseqüencias de falarmos sobre aborto (e outras questões delicadas) nesta concepção de custo x benefício, tão ao gosto dos tecnocratas filoesquerdistas.
|